Obra
ARAGÃO, António, 1801-1857 - A Rainha Santa Izabel e Dom Diniz, 1854.
Cópia em JPEG
Índice
[Encadernação]
[Rosto]
[Dedicatória]
3 b 5 6 7 8 b
[Epígrafe]
Personagens
11 b
Acto II
Acto III
[Notas do texto]
[Nota] Ao leitor
Pareceres [dos censores]
[Resposta do autor]
Licença
63 b
[Encadernação]
Capa

Ficha Bibliográfica

ARAGÃO, António, 1801-1857

A Rainha Santa Izabel e Dom Diniz : drama original portuguez, em tres actos dedicado a El-Rei o senhor Dom Pedro V / por Antonio Pereira Ferrea Aragão. - Lisboa : Typ. na Rua da Condessa, 1854. - 60 p. ; 21 cm

CDU 82-2

OMGAR 2452p (ULFL-OM)

 

Nota descritiva

Não tendo chegado a ser representado, este drama em 3 actos recria a época do reinado do quinto rei de Portugal. Considerou Pedro Nolasco da Cunha, o censor de serviço a este texto de Ferrea Aragão, ter tido o autor como objectivo reivindicar a moralidade ultrajada e restituir as virtudes pátrias (cf. p. 62).
A acção resume-se ao seguinte: D. Dinis pretende desterrar D. Isabel, desconfiando, por um lado, da sua infidelidade e, por outro, que a Rainha apoia financeiramente o seu filho, o Infante Afonso, na luta empreendida contra o Rei.
Em Alenquer, a Rainha Santa continua virtuosamente a proteger os pobres, por quem distribui muitos dos seus bens. Um ano volvido, D. Dinis apercebe-se da injustiça cometida não só para com a Rainha mas para com Pedro, seu pajem e amigo de há longos anos, a quem mandara lançar dentro dos fornos de cal, o que, por um acaso, não chegou a acontecer. Arrependido o Rei pede perdão a D. Isabel, terminando o drama com o regresso da união e da paz ao seio da família.

© Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - ContentE v.1.6 - 2007-07-12T15:17:57