Obra
ABRANCHES, António Joaquim da Silva, 1810-1868 - O captivo de Fêz, 1841.
Cópia em JPEG
Índice
[Encadernação]
[Rosto]
[Ex-libris]
b
[Dedicatória]
[Prólogo]
[Agradecimentos]
Pessoas [e] Actores
1 b
Acto I
[Encadernação]
Capa

Ficha Bibliográfica

[0459996]

ABRANCHES, António Joaquim da Silva, 1810-1868

O captivo de Fêz : drama original portuguez em 5 actos / [A. J. da S. Abranches]. - Lisboa : Typ. Portugueza, 1841. - VII, [1], 135 p. 20 cm. - Premiado pelo Conservatório Real de Lisboa, em 22 de Dezembro de 1840 e representado pela primeira vez no Teatro normal da rua dos Condes, em 23 de Janeiro de 1841. - Estado de conservação verificado, restauro químico e mecânico, 20061229, Encadernado, PTULFL_OMGAR 2396p

OMGAR 2396p (ULFL-OM)

 

Nota descritiva

Tido como a causa próxima da elaboração de Frei Luís de Sousa, este drama de Silva Abranches foi premiado pelo Conservatório Real de Lisboa, no final de 1841, tendo tido a sua estreia, no Teatro da Rua dos Condes, em 23 de Janeiro desse mesmo ano.
A acção decorre no reinado de D. Sebastião, entre 1576-77, um ano antes da batalha de Alcácer Quibir.
D. Leonor aguarda o regresso de D. Fernando de Castro, seu marido, cativo em Tânger havia dois anos. Tendo recebido a notícia da sua morte, D. Leonor, para fazer face às dificuldades financeiras, casa com o Conde de Távora, o melhor amigo do seu primeiro marido.
Um ano volvido, D. Fernando de Castro regressa e exige retomar o seu lugar, apesar de ter já seduzido uma Judia, a quem escondeu a sua situação conjugal. Depois de variadíssimas peripécias, D. Leonor acaba por morrer, e D. Fernando e o Conde pretendem travar um "duelo de morte", indo acabar a contenda à portuguesa antiga, nos areais de África, para onde se precipita todo o reino.

© Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - ContentE v.1.6 - 2007-04-02T15:35:25