Obra
ÁVILA, Artur Lobo de - A descoberta da Índia ou O reinado de D. Manuel, 1898.
Cópia em JPEG
Índice
[Encadernação com ex-libris]
[Anterrosto]
Justificação da tiragem
[Rosto]
Argumento
1 b 3 4 5 b
Acto primeiro
Acto segundo
[Colofão]
[Encadernação]
Capa

Ficha Bibliográfica

ÁVILA, Artur Lobo de

A descoberta da Índia ou O reinado de D. Manuel : drama historico em 5 actos / por Arthur Lobo d'Avila. - Lisboa : Impr. Nacional, 1898. - LIV, 176, [1] p. ; 25 cm. - Obra digitalizada a partir do original

CDU 82-2

OMGAR 100p (ULFL-OM)
OMGAR 2375p (ULFL-OM)

 

Nota descritiva


A obra foi apresentada ao «Concurso para um drama» aberto pela Comissão Central Executiva, nas comemorações do 4º Centenário do Descobrimento da Índia.
Segundo as palavras do autor, expressas na "Memória Justificativa da Exposição Histórica deste Drama", esta peça foi escrita com o objectivo de mostrar a grandeza da acção política de D. Manuel. Considerando que determinados actos de governação do monarca não foram inteiramente compreendidos por historiadores como Oliveira Martins, Lobo d' Ávila constrói esta ficção histórica em torno das figuras de D. Manuel I, de Vasco da Gama e de Afonso de Albuquerque. O tempo representado percorre um período significativo do reinado daquele monarca: 1495, 1498, 1502, 1508, 1515 e 1518, são as datas assinaladas, respectivamente no "quadro primeiro" de cada um dos actos, cujos títulos elucidam o conteúdo: «O Testamento de D. João II», «A Descoberta - Glória a Vasco da Gama!», «O Império Português no Oriente - Glória a Afonso de Albuquerque», «Os Erros da Corte - Justiça a D. Manuel!» e «O Julgamento da História».
Na peça, sucedem-se a preparação e a viagem de Gama, a nomeação de Afonso de Albuquerque, bem como as referências às circunstâncias que ditaram, mais tarde, o retiro voluntário de Vasco da Gama para longe da corte e a vontade expressa do monarca em desistir do governador da Índia, casos considerados fruto de «injustiças» praticadas pelo rei. Mas a intervenção da rainha D. Leonor, que vem ao paço, qual deus ex-machina, chamar o irmão à razão e travar o afastamento de Albuquerque, leva a que o rei assuma, contrito, os seus erros e procure por todos os meios mostrar a esses homens a sua gratidão.

© Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - ContentE v.1.6 - 2007-07-24T10:16:37